domingo, 12 de junho de 2011

.
.
.


Talvez a vida esteja sempre incompleta e incompleta ficou depois de te conhecer. Apesar de lhe teres acrescentado o teu olhar. E palavras de sentidos ocultos. Sempre com um sabor de fruto proibido. Sempre a deixar um rasto amargo-doce. Por isso o teu olhar e as tuas palavras são diferentes de tudo o que eu conheço e conheci. E foi nesse desconhecido que mergulhei e me perdi.


.

.

.